Nova presidente do TRE-SC será a primeira mulher a conduzir uma eleição no estado

Nova presidente do TRE-SC será a primeira mulher a conduzir uma eleição no estado


Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta tomou posse como presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) e será a primeira mulher na história da Justiça Eleitoral catarinense responsável por conduzir uma eleição. O desembargador Carlos Alberto Civinski assumiu o cargo de vice-presidente e corregedor.

A cerimônia de posse foi realizada pela manhã no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). A magistrada, que ocupava até então o cargo de vice-presidente e corregedora eleitoral, vai suceder o desembargador Alexandre d’Ivanenko.

Na ocasião, o ex-presidente agradeceu pela convivência com juízes, promotores, advogados, servidores e terceirizados do TRE-SC, reconhecendo o trabalho realizado em conjunto. “São dedicados, justos e competentes, e isso torna o trabalho daqueles que o dirigem mais leve e tranquilo”, disse. O magistrado cumprimentou os empossados e desejou sucesso, agradecendo pelo apoio recebido durante seu tempo à frente da Instituição.

Após tomar posse no cargo, a nova presidente cumprimentou o des. d’Ivanenko e agradeceu ao colega de Corte pelo companheirismo, determinação e pelo trabalho já realizado na organização prévia das Eleições Municipais de 2024.

Em seu discurso, a desembargadora declarou sua satisfação em exercer a nova função e reafirmou seu “compromisso de bem servir, conclamando a todos para que juntos possamos entregar à Santa Catarina, nas eleições que virão, um resultado que seja a síntese da legitimidade e normalidade do pleito eleitoral”.

Para a desembargadora, transformar a expectativa da sociedade em realidade depende de uma atuação conjunta da Justiça Eleitoral com a classe política.

“Isso inclui a superação dessa dívida histórica com as mulheres e com os grupos discriminados politicamente, o que só virá a ocorrer a partir da compreensão coletiva de que as sequelas produzidas no passado precisam ser suplantadas, impondo à geração atual reconhecer que as ações afirmativas verdadeiramente correspondem a recomposição do que foi subtraído desses grupos ao longo de sua existência”, defendeu.

A magistrada manifestou o desejo de que seu período na gestão do TRE-SC sirva para abrir consciências e estimular a participação política de todos, independente de gênero, raça ou etnia. “Que tenhamos também na política uma representatividade plural, sabido que a sub-representação é espelho de déficit na democracia”, disse.

A presidente destacou ainda o apoio feminino com o qual irá contar na direção da Escola Judiciária Eleitoral (EJESC), sob comando da desembargadora federal Ana Cristina Ferro Blasi, atual diretora, e da juíza eleitoral Ana Luíza Schmidt Ramos, vice-diretora.

O vice-presidente empossado, desembargador Carlos Alberto Civinski, destacou o trabalho que terá na função de corregedor, e garantiu diálogo contínuo com juízes e cartórios eleitorais, de modo a fornecer as ferramentas necessárias para a integridade do processo eleitoral.

“Composto por um sistema de engrenagens, que assumem função indissociável do todo, o processo eleitoral encontra na Corregedoria Regional Eleitoral a responsabilidade de lubrificar e ajustar os componentes que formam essa formidável máquina”, disse o des. Civinski.

O magistrado lembrou ainda que as eleições municipais envolvem questões locais e do cotidiano, o que atrai maior engajamento da população e exige respostas rápidas da Justiça.

Em nome da Corte do Tribunal Eleitoral catarinense, o juiz Sebastião Ogê Muniz saudou os empossados e destacou o trabalho cumprido pelo ex-presidente, assim como a importância do momento de alternância na gestão. “Nossos novos dirigentes são pessoas simples, honradas, benquistas, possuidoras de sólida formação jurídica e de uma vasta folha de serviços prestados ao Poder Judiciário”, apontou.

O procurador regional eleitoral, Cláudio Cristani, ressaltou o histórico profissional e a vivência dos novos dirigentes no enfrentamento de resoluções diversas, e garantiu um esforço colaborativo entre o Ministério Público e a Justiça Eleitoral no próximo pleito municipal.

“O MPE não deixará de agir com empenho e dedicação para o fortalecimento e o respeito da vontade popular, para que possamos entregar uma correta aplicação da lei, com justiça e humanidade”, destacou o procurador.

Representando a Ordem dos Advogados do Brasil, a presidente da Seccional de Santa Catarina, Cláudia Prudêncio, desejou à nova presidente uma gestão profícua, com serenidade e resiliência, e fez reverência a figuras femininas que alcançaram posições de destaque.

“A todas aquelas que nos antecederam, e que permitiram e encorajaram a tantas outras mulheres sonhar com um lugar de espaço e de gestão. Vossa Excelência é hoje um exemplo de encorajamento e de inspiração”, expressou a advogada.

O governador de Santa Catarina, Jorginho Mello, parabenizou a presidente desejando tranquilidade na administração. “Eu tenho muito orgulho quando falo de Santa Catarina, e também fico muito feliz quando se fala na Justiça catarinense”, disse o governador, destacando o TRE do estado pela lisura em sua atuação como um exemplo para a Justiça brasileira.

Inserção das mulheres na política será ponto central da gestão

A preocupação com uma inserção efetiva das mulheres na vida política será um dos pilares da nova gestão, marcada pela singularidade de uma magistrada mulher como presidente do Tribunal.

Em 1986, a desembargadora Thereza Tang presidiu o TRE-SC por alguns dias, tendo sido a primeira mulher a ocupar a posição — além da primeira a ingressar na magistratura catarinense, em 1954. No entanto, com as Eleições Municipais de 2024 à vista, Maria do Rocio será pioneira no comando da organização de um pleito no estado.

Durante a cerimônia de posse, a desembargadora apresentou o projeto “Acorda mulher, o teu lugar também é na política”. A iniciativa prevê medidas para fomentar a participação feminina na política catarinense. Entre elas está uma agenda para fiscalização do cumprimento da cota de gênero, lei que prevê o mínimo de 30% e máximo de 70% de candidaturas para cada sexo.

O projeto cria também o Conselho Institucional de Políticas de Gênero e Étnico-Racial, um comitê institucional e suprapartidário que será responsável por discutir o tema e implementar ações concretas nesse sentido. O Conselho será coordenado pela desembargadora Denise de Souza Luiz Francoski e pela juíza Débora Fernanda Gadotti Farah, que fazem parte da Corte do TRE-SC na função de juízas substitutas.

Estiveram também presentes, compondo a mesa de honra da solenidade, o presidente do TJSC, des. Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto; a deputada estadual Ana Paula Silva, representando a Assembleia Legislativa de Santa Catarina (ALESC); o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Herneus de Nadal; o presidente do Colégio de Presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais (Coptrel) e do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), des. Octávio Augusto de Nigris Boccalini; o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT), des. Amarildo de Lima; o subprocurador geral de justiça, Durval da Silva Amorim; e o prefeito de Florianópolis, Topázio Neto.

Por Vinicius Claudio
Fotos: Luciano Nunes
Assessoria de Comunicação Social do TRE-SC



Voltar

Comentários




Notícias Relacionadas


Vídeos


Estado anuncia data para início da dragagem do Rio Itajaí Açu, no Alto Vale

Estado anuncia data para início da dragagem do Rio Itajaí Açu, no Alto Vale

Ministério Público obtém liminar que suspende processos seletivos em Presidente Getúlio

Ministério Público obtém liminar que suspende processos seletivos em Presidente Getúlio

Estabelecimento comercial é alvo de assalto em Rio do Sul

Estabelecimento comercial é alvo de assalto em Rio do Sul